Início » BB pedirá que PF investigue vazamentos sobre acordo de R$ 600 milhões

BB pedirá que PF investigue vazamentos sobre acordo de R$ 600 milhões

postado Assessoria Igor

Em nota oficial, a direção do Banco do Brasil afirmou que vai pedir à Polícia Federal abertura de inquérito para apurar o vazamento de documentos que embasaram reportagem exclusiva de Crusoé sobre um nebuloso acordo de 600 milhões de reais firmado em setembro do ano passado pela estatal e duas empresas do Maranhão.

Como revelou a Crusoé nesta sexta-feira, 21, o Banco do Brasil topou pagar uma multa multimilionária a um conglomerado de empresas – Aimar Agroindustrial e Coopergraças – que tinham, até recentemente, a participação acionária do ex-ministro de Minas e Energia dos governos Lula e Dilma, Edison Lobão.

E isso depois que o banco levou um calote do conglomerado, ainda nos anos de 1990.

Apesar do envolvimento de duas empresas distintas, o setor jurídico do Banco do Brasil deu aval para que a indenização multimilionária fosse paga a apenas umas das empresas envolvidas para que a outra envolvida fugisse de eventuais confiscos judiciais.

Parecer confidencial do próprio Banco do Brasil obtido pela reportagem apontava o risco de a transação, tal como desenhada, ser vista como uma simulação jurídica para evitar o pagamento de débitos fiscais, débitos trabalhistas e até honorários advocatícios, permitindo que o dinheiro fosse todo embolsado por apenas uma das beneficiárias.

“Causa-nos estranheza a demanda jornalística fazer referência a supostas informações internas que estariam protegidas pelo sigilo empresarial, citando, inclusive, participação de ex-dirigentes e autoridades públicas. Este fato será objeto de pedido de abertura de inquérito policial próprio para apuração das responsabilidades”, disse o Banco no pedido de resposta de Crusoé.

“Todas as complexidades do caso estão amplamente discutidas nas milhares de páginas que integram os diversos processos judiciais encerrados conforme a petição conjunta, homologada pelo STJ. As tratativas foram realizadas apenas com as empresas diretamente envolvidas e seus respectivos advogados, sem intervenção de qualquer pessoa alheia ao caso”, informou o BB.

“A decisão de pôr fim às demandas foi tomada respeitando rigorosamente os critérios técnicos e a governança da empresa, eliminando riscos jurídicos e financeiros próprios de processos na situação jurídica em que se encontravam”, acrescentou o Banco.

Fonte: O Antagonista

www.contec.org.br

Deixe um Comentário

Notícias Relacionadas

Bem vindo!

Instale o app da Contec Brasil no seu Iphone {{ICON_INSTALL}} e depois {{bold}} adicione à tela inicial {{/bold}}
×