Início » Consumo mundial de carvão bate recorde em 2023 e atinge 8,5 bilhões de toneladas

Consumo mundial de carvão bate recorde em 2023 e atinge 8,5 bilhões de toneladas

postado Assessoria Igor

O consumo de carvão no mundo bateu recorde em 2023, com 8,53 bilhões de toneladas queimadas deste combustível fóssil, anunciou a AIE (Agência Internacional de Energia) nesta sexta-feira (15), dois dias após o fim da COP28.

Apesar do compromisso assumido pelos países participantes na conferência do clima da ONU em Dubai de abandonar progressivamente as energias fósseis, o ano de 2023 superou o recorde que havia sido estabelecido em 2022, segundo o relatório da AIE.

Os números coincidem com um ano de 2023 que “quase com toda certeza” vai superar 2016 como o mais quente já registrado, como alertou o observatório europeu Copernicus no início de novembro. Na quinta-feira (14), a AIE também havia divulgado que a demanda mundial por petróleo em 2024 aumentará mais rápido do que o previsto.

A combustão do carvão, tanto para produzir energia como para o funcionamento das indústrias, é responsável por boa parte das emissões de dióxido de carbono (CO2).

A AIE destaca a tendência de alta do consumo na China, onde foi registrado aumento de 220 milhões de toneladas (4,9%) na comparação com o ano passado, e na Índia, com avanço de 98 milhões (8%).

Também foram queimadas 23 milhões de toneladas a mais na Indonésia, o que representou um aumento de 11%, segundo o relatório.

Ao mesmo tempo, o uso diminuiu consideravelmente na Europa, com 107 milhões de toneladas a menos (-23%), e nos Estados Unidos, com uma redução de 95 milhões de toneladas (-21%).

O fechamento das centrais de carvão e o menor peso da indústria favoreceram a tendência nas duas regiões.

Na Alemanha, por exemplo, a maioria das centrais devem fechar durante os próximos três anos e o país substituirá as unidades por centrais eólicas ou solares.

A França deseja fechar sua última central de energia elétrica alimentada por carvão em 2027.

A AIE admite a dificuldade de fazer previsões certeiras sobre a Rússia, quarto maior consumidor de carvão, devido à guerra na Ucrânia.

“PICO” EM 2023

Os níveis de 2023 representarão um “pico” no consumo de carvão, que diminuirá “a partir de 2024”, segundo a agência internacional, fundada em 1974 no âmbito da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômicos).

A AIE projeta um avanço das energias renováveis (eólica, solar…) em todo o planeta para “levar o consumo mundial de carvão a uma trajetória descendente”.

Apesar disso, a agência não prevê uma redução de seu uso na indústria.

Alguns países, como a Indonésia, registram situações paradoxais, como o aumento do consumo de carvão devido ao boom da extração de níquel para a fabricação de baterias para os carros elétricos.

A China, no entanto, continua sendo de longe o país que mais utiliza o carvão, com 54% do consumo mundial.

A agência prevê uma redução do consumo na China durante os próximos dois anos e que a Índia assuma a liderança no uso do carvão a partir de 2026.

Fonte: Folha de S. Paulo

www.contec.org.br

Deixe um Comentário

Notícias Relacionadas

Bem vindo!

Instale o app da Contec Brasil no seu Iphone {{ICON_INSTALL}} e depois {{bold}} adicione à tela inicial {{/bold}}
×