Início » Em 2 meses, Carf julga 40% dos casos analisado em todo 2023

Em 2 meses, Carf julga 40% dos casos analisado em todo 2023

postado Assessoria Igor

O Carf (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais) julgou R$ 115,2 bilhões em casos nos dois primeiros meses de 2024. Isso representa 40,5% do total julgado em todo o ano de 2023.

Foram 2.962 casos em janeiro e fevereiro, o que representa um valor médio de R$ 38,9 milhões por caso. No ano passado, o valor médio por decisão foi de R$ 13,3 milhões. Os dados são do balanço de início do ano do conselho ao qual a Folha teve acesso.

O levantamento não aponta quanto desse valor foi julgado em favor da União e quanto foi julgado pró-contribuinte. Em 2023, pessoas e empresas que disputam os casos com o governo saíram vitoriosas em 61% dos recursos julgados.

Na avaliação do presidente do Carf, Carlos Higino, o desempenho poderia ter sido ainda melhor se não fosse a paralisação dos auditores-fiscais para reivindicar a regulamentação do bônus de eficiência da categoria, que ainda teve efeito em janeiro.

“Em fevereiro houve uma retomada e a expectativa é de cumprir a meta que colocamos para esse ano de R$ 870 bilhões em julgamentos”, disse Higino.

“Até setembro ou outubro devemos julgar de 80% a 90% desse total. Não é uma meta que pretendemos atingir no último dia de dezembro”, acrescentou.

Do total de casos julgados, 3,4% só foram resolvidos no voto de desempate. O mecanismo foi um ponto central nas negociações entre o Ministério da Fazenda e o Congresso Nacional para aprovar o projeto alterando o funcionamento do Carf.

Uma lei aprovada no governo do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) determinou que em caso de empate nas votações, a decisão era pró-contribuinte. O Carf é paritário, com metade dos conselheiros indicados pelos contribuintes e a outra metade pelo governo federal.

Com a mudança promovida pelo governo Lula (PT), em caso de empate a decisão vai para o presidente da seção de julgamento, um auditor-fiscal da Receita Federal.

Se a decisão foi tomada baseada nesse voto de desempate, o contribuinte tem benefícios no pagamento de multas e juros em cima do tributo devido.

O percentual de decisões tomadas com base no voto de desempate é por enquanto o maior desde 2019, quando 5,3% das decisões foram tomadas dessa maneira.

O crescimento no valor médio da ação era um dos objetivos do presidente do Carf, Carlos Higino, que defende julgar casos maiores em 2024 e com isso diminuir o estoque de tributos parados.

O objetivo está sendo cumprido no início de 2024. O total de tributos esperando por julgamentos passou de R$ 1,164 trilhão em dezembro do ano passado para R$ 1,118 trilhão em março deste ano.

Na visão do advogado Leandro Bettini, sócio do MJ Alves Burle e Viana Advogados, a redução do estoque está sendo feita sem perder a desempate nos votos.

“O presidente Carlos Higino tem implementando boas práticas, boas medidas regimentais, para diminuir o acervo, como a ampliação na quantidade de turmas. Agora tem duas específicas para temas aduaneiros, por exemplo. Com isso, qualifica mais os julgamentos e dá mais vazão”, analisou.

Além da criação das turmas especializadas, Higino destacou também a nomeação de novos conselheiros e a redução no tamanho dos colegiados, o que possibilita julgamento mais céleres.

O Carf tem R$ 456 bilhões a serem decididos em 168 casos. Na outra ponta, 20.540 casos totalizam R$ 500 milhões em tributos. A partir de 2025, o objetivo é reduzir o número total de casos, que hoje é de 82 mil.

O órgão é parte importante do esforço fiscal administrado pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad, que defende zerar o déficit primário em 2024. O plano da equipe econômica é obter R$ 54,7 bilhões em 2024 a partir de julgamentos do tribunal e outros R$ 28 bilhões no próximo ano.

Fonte: Folha de S. Paulo

www.contec.org.br

Deixe um Comentário

Notícias Relacionadas

Bem vindo!

Instale o app da Contec Brasil no seu Iphone {{ICON_INSTALL}} e depois {{bold}} adicione à tela inicial {{/bold}}
×