Início » Hackers que invadiram sistemas de informação da Caixa emitiram 3,7 mil cartões de crédito e rombo pode chegar a R$ 137 milhões, aponta PF

Hackers que invadiram sistemas de informação da Caixa emitiram 3,7 mil cartões de crédito e rombo pode chegar a R$ 137 milhões, aponta PF

postado Assessoria Tiago
Caixa Econômica Federal. Foto: Daniel Teixeira / Estadão Conteúdo

Operação Atacante, deflagrada nesta terça-feira, 8, por ordem do juiz Ali Mazloum, da 7.ª Vara Federal Criminal de São Paulo, prendeu um suspeito e teve início a partir de alertas da própria instituição financeira sobre ‘tentativas atípicas’ de invasão da rede interna; pelo menos 3.617 CPFs foram afetados

A investigação que levou a Polícia Federal a abrir a Operação Atacante nesta terça-feira, 8, teve início em agosto do ano passado a partir de uma denúncia do setor de Tecnologia de Informação da Caixa Econômica. Ao longo do último semestre, os investigadores buscaram entender como os sistemas do banco foram invadidos e dados de correntistas alterados para desviar dinheiro das contas e cadastrar cartões indevidamente. Os prejuízos podem chegar a R$ 137 milhões.

O próprio sistema da Caixa alertou para tentativas atípicas de entrada na rede interna do banco e para operações suspeitas no sistema de gerenciamento de cartão de crédito. Pelo menos 3.617 CPFs foram afetados e 3.781 cartões emitidos indevidamente, aponta a investigação.

Um dos suspeitos de envolvimento no ataque cibernético foi preso preventivamente na operação de hoje. Sem vínculo formal de emprego desde 2012, George Reginaldo consta como sócio de uma empresa que, segundo a PF, seria de fachada. Relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) alertou para movimentações atípicas de ao menos R$ 9,1 milhões, entre outubro de 2016 e junho de 2019, em contas ligadas a ele.

Ao autorizar a PF a cumprir o mandado, o juiz Ali Mazloum, da 7.ª Vara Criminal Federal de São Paulo, concluiu que a prisão é necessária para garantir a continuidade da investigação e prevenir eventuais tentativas de obstrução.

“Quanto ao investigado, conforme avaliação ministerial, há fortes elementos de tratar-se do “invasor” dos sistemas da CEF, o que revela capacidade fora do comum de utilizar dispositivos eletrônicos, fraudando e alterando informações, sendo, portanto, imprescindível para as investigações o afastamento de George Reginaldo de tais dispositivos eletrônicos, para que se dificulte – ao menos – a destruição de eventuais provas obtidas nos dispositivos eletrônicos apreendido”, diz um trecho da decisão.

A PF também cumpriu três mandados de busca e apreensão na capital paulista e nos municípios de Ribeirão Preto (SP) e Guarujá (SP). Durante as buscas, equipamentos de informática, documentos e veículos foram apreendidos.

Os crimes investigados são estelionato e associação criminosa. A partir do material apreendido, os policiais federais querem identificar quem mais participou do ataque hacker e das fraudes.

COM A PALAVRA, GEORGE REGINALDO

A reportagem busca contato com a defesa de George Reginaldo e aguarda resposta. O espaço está aberto para manifestação.

COM A PALAVRA, A CAIXA 

“A CAIXA informa que atua conjuntamente com a Polícia Federal e demais órgãos de segurança pública na identificação e investigação de casos suspeitos e na prevenção e combate a fraudes e golpes.

A CAIXA esclarece que informações sobre eventos criminosos em suas unidades são repassadas exclusivamente às autoridades policiais e ratifica que coopera integralmente com as investigações dos órgãos competentes.

Adicionalmente, esclarecemos que a CAIXA possui estratégia, políticas e procedimentos de segurança para a proteção dos dados e operações de seus clientes e dispõe de tecnologias e equipes especializadas para garantir segurança aos seus processos e canais de atendimento.”

Fonte: Estadão

Diretoria Executiva da CONTEC

Deixe um Comentário

Notícias Relacionadas