Início » Inflação fecha 2023 em 4,62% e fica abaixo do teto da meta após dois anos

Inflação fecha 2023 em 4,62% e fica abaixo do teto da meta após dois anos

postado Assessoria Igor

inflação oficial do Brasil, medida pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), fechou o acumulado de 2023 em 4,62%, apontou nesta quinta-feira (11) o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). É a menor alta em três anos, desde 2020 (4,52%).

Com o resultado, o índice encerrou 2023 abaixo do teto de 4,75% fixado para a meta de inflação perseguida pelo BC (Banco Central). O IPCA havia estourado o limite superior da meta nos dois anos anteriores, em 2022 (5,79%) e 2021 (10,06%).

Apesar da perda de força em 2023, a taxa de 4,62% ficou acima da mediana das projeções do mercado financeiro. Analistas consultados pela agência Bloomberg esperavam variação de 4,55% para o acumulado do ano passado, que marcou o início do governo Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

No recorte mensal, o IPCA acelerou de 0,28% em novembro para 0,56% em dezembro, segundo o IBGE. A nova taxa veio acima das projeções do mercado. Analistas esperavam variação de 0,50% no último mês de 2023, conforme a mediana da Bloomberg.

ALIMENTOS ALIVIAM RESULTADO ANUAL

Ao longo do ano passado, o IPCA perdeu força com a trégua dos alimentos. O alívio veio após a disparada da inflação desses produtos em meio aos reflexos da pandemia, da Guerra da Ucrânia e de choques climáticos.

Em 2023, o aumento da oferta de mercadorias a partir da ampliação da safra agrícola ajudou a frear os preços da comida. Também houve maior disponibilidade de alimentos como carne e leite no país.

“A safra do ano passado foi muito boa. Melhorou a inflação e melhorou o PIB também”, afirma o economista André Braz, do FGV Ibre (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas).

O grupo de alimentação e bebidas, que tem o maior peso no IPCA, subiu 1,03% no ano passado, diz o IBGE. Isso representa uma desaceleração ante 2022, quando a alta havia sido de 11,64%.

O resultado menor se deve à queda dos preços da alimentação no domicílio (-0,52%). Foi a primeira redução desde 2017 (-4,85%). O IBGE destacou as baixas do óleo de soja (-28%), do frango em pedaços (-10,12%) e das carnes (-9,37%) em 2023.

“O grupo de produtos alimentícios ficou abaixo do resultado geral e ajudou a segurar o índice de 2023. Houve quatro quedas seguidas no meio de ano, o que contribuiu para esse resultado”, disse André Almeida, gerente da pesquisa do IPCA.

“A queda na alimentação no domicílio reflete as safras boas e a redução nos preços das principais commodities no mercado internacional, como a soja e o milho”, completou.

GASOLINA PRESSIONA EM 2023

Por outro lado, o grupo dos transportes exerceu a maior pressão no IPCA de 2023. O segmento acumulou alta de 7,14%, o que gerou o principal impacto no índice, de 1,46 ponto percentual.

Nos transportes, destaca-se a alta da gasolina (12,09%). O combustível é o subitem com o maior peso entre os 377 que compõem o IPCA. A gasolina foi responsável pelo maior impacto individual no índice em 2023 (0,56 ponto percentual).

A pressão do combustível veio na esteira da retomada da cobrança de tributos que haviam sido congelados pelo governo Jair Bolsonaro (PL) às vésperas das eleições de 2022.

“Vale lembrar que a gasolina teve o impacto da reoneração dos tributos federais e das alterações nas cobranças do ICMS”, afirmou Almeida. Outras altas relevantes nos transportes vieram do emplacamento e da licença (21,22%) e das passagens aéreas (47,24%).

O centro da meta de inflação, referência para a política monetária do BC, era de 3,25% em 2023. O intervalo de tolerância era de 1,5 ponto percentual para mais (4,75%) ou para menos (1,75%).

Segundo Braz, do FGV Ibre, outro fator que ajuda a explicar a inflação menor em 2023 foi o impacto dos juros elevados. O crédito caro desestimulou a demanda por bens duráveis e, assim, freou os aumentos dos preços desses produtos, diz o economista.

Bens duráveis são mercadorias de maior valor agregado, cuja venda está associada a financiamentos, como veículos e eletrodomésticos. Ainda de acordo com Braz, a desaceleração dos preços de parte dos serviços completa a lista de componentes que atenuaram o IPCA em 2023.

ALIMENTOS PUXAM ALTA EM DEZEMBRO

A aceleração do IPCA mensal, de 0,28% em novembro para 0,56% em dezembro, foi acompanhada por alta dos preços dos nove grupos de bens e serviços pesquisados pelo IBGE.

A principal pressão veio dos alimentos, em contraste com o que ocorreu no recorte do ano, quando esses produtos ajudaram a aliviar o índice.

Em dezembro, a maior variação (1,11%) e o maior impacto (0,23 ponto percentual) vieram do grupo de alimentação e bebidas, que acelerou em relação a novembro (0,63%).

Almeida associou esse resultado aos efeitos do clima, que costuma impactar os preços da comida na reta final do ano. Em 2023, o Brasil viveu episódios extremos como ondas de calor e chuvas intensas, o que dificulta a produção no campo.

“Esses fatores climáticos acabaram influenciando os alimentos”, afirmou Almeida.

A alimentação no domicílio subiu 1,34% em dezembro. Houve altas da batata-inglesa (19,09%), do feijão-carioca (13,79%), do arroz (5,81%) e das frutas (3,37%). Já o leite longa vida recuou pelo sétimo mês consecutivo (-1,26%).

CENÁRIO PARA 2024

Em 2024, a expectativa de analistas é de que o IPCA desacelere a 3,90% no acumulado do ano, conforme a mediana da edição mais recente do boletim Focus, divulgada na segunda-feira (8) pelo BC.

O centro da meta é de 3% em 2024, 2025 e 2026, sempre com tolerância de 1,5 ponto percentual para mais (4,50%) ou para menos (1,50%).

Conforme analistas, o cenário deste ano deve trazer alterações em relação a 2023. Uma das prováveis mudanças diz respeito aos alimentos, cujos preços tendem a subir em 2024 após a trégua no ano passado.

O principal fator por trás dessa estimativa é o El Niño, que eleva os riscos de estragos no campo. O fenômeno climático ameaça reduzir a oferta de alimentos, com eventual repasse para os preços finais. Assim, a comida pode impedir uma desaceleração mais intensa do IPCA no acumulado de 2024.

INPC FECHA 2023 EM 3,71%

O IBGE também informou nesta quinta que o INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) fechou 2023 com variação acumulada de 3,71%, abaixo do resultado de 2022 (5,93%).

O INPC é usado como referência para correção de benefícios como aposentadorias e seguro-desemprego. O indicador reflete os preços de bens e serviços com maior peso no consumo das famílias de renda menor (de um a cinco salários mínimos).

Fonte: Folha de S. Paulo

www.contec.org.br

Deixe um Comentário

Notícias Relacionadas

Bem vindo!

Instale o app da Contec Brasil no seu Iphone {{ICON_INSTALL}} e depois {{bold}} adicione à tela inicial {{/bold}}
×